Flush no ASP.NET MVC 6

Fazer o flush parcial do HTML gerado no servidor já é uma técnica bem conhecida, divulgada e recomendada no desenvolvimento de aplicações web de alta performance. Desde o ASP clássico até as versões mais recentes do .Net Framework, o recurso já estava presente, através do método Flush da classe Response.

Para facilitar o uso de flush em uma aplicação ASP.NET MVC de versão anterior à 6, podemos utilizar um pacote NuGet chamado Courtesy Flush. Para saber mais, recomendo a leitura do post do Scott Hanselman:

http://www.hanselman.com/blog/NuGetPackageOfTheWeekCourtesyFlushToFlushBuffersEarlierAndOptimizeTimeToFirstByte.aspx

Com a nova versão do Razor, que acompanha o ASP.NET MVC 6, fazer o flush parcial do conteúdo de uma view ficou ainda mais fácil.

Para exemplificar esse recurso na prática, vou utilizar a aplicação construída no post anterior, que é uma página estilo dashboard, com elementos que possuem um delay total de 3 segundos para processar.

Onde colocar o flush?

Para fazer uso efetivo do flush, é muito importante definir o local correto da chamada do método na aplicação. Segundo Steve Souders, autor dos clássicos livros sobre performance de aplicações web: High Performance Web Sites e Even Faster Web Sites, o flush deve ser colocado logo antes da execução de algum método de servidor que demore mais para responder, mas também deve trazer estrutura e recursos mínimos para que, pelo menos uma parte da página, possa ser renderizada e exibida para o usuário.

Seguindo essa diretiva, alterar a aplicação de exemplo utilizada no post passado, adicionando o novo recurso de flush parcial do Razor.

O primeiro passo é criar uma section chamada “corpoDaPagina”  no layout geral da aplicação:

Na página index, a chamada ao método FlushAsync fica logo antes da renderização das views parciais que possuem delay, dessa forma, todo o cabeçalho e os recursos referenciados no header da página são enviados para o navegador do usuário antes do processamento ser completado:

Notem a diferença no gráfico waterfall de renderização de cada uma das páginas:

Sem flush
Sem flush
Com flush
Com flush

Quando não utilizamos flush, a aplicação espera todo o processamento no servidor para carregar o css da página e do bootstrap. Quando usamos, esses recursos são carregados durante o processamento do lado do servidor, dando ao usuário uma sensação de que a página respondeu mais rápido à sua requisição, já que o cabeçalho é exibido rapidamente, antes do processamento pesado do lado do servidor ocorrer.

Esse é mais um recurso interessante para a melhoria do desempenho de uma aplicação ASP.NET MVC 6.

Aplicação de exemplo: http://razorasyncmvc6.azurewebsites.net

SHOW ME THE CODE!!

https://github.com/marcellalves/asp-net-mvc-6-razor-async

Para ampliar o conhecimento sobre esse assunto, leia também:

http://www.stevesouders.com/blog/2013/01/31/http-archive-adding-flush/

http://nikcodes.com/2014/03/04/flushing-in-asp-net-mvc/

http://nikcodes.com/2014/03/17/more-http-flushing-in-asp-net-mvc/

 

Melhorando a performance percebida com views parciais assíncronas

A velocidade é um dos principais fatores de sucesso de uma aplicação web. Os usuários buscam uma experiência semelhante à que eles encontram em aplicativos nativos para smartphone ou serviços que utilizam tecnologia de ponta, como Facebook, Google e Twitter. Atender às expectativas de um público cada vez mais exigente é um desafio constante para os desenvolvedores web.

O desempenho de uma aplicação é um fator tão relevante que o Google estima que cada 0,5 segundo extra na renderização de uma página de resultado de pesquisa causa uma queda de 20% na audiência. A Amazon calcula que cada 100 milissegundos de latência custam 1% de prejuízo nas vendas.

Fonte: http://highscalability.com/blog/2009/7/25/latency-is-everywhere-and-it-costs-you-sales-how-to-crush-it.html (em inglês)

Nesse post, apresentarei uma técnica interessante para melhorar a performance percebida pelo usuário em uma aplicação ASP.NET MVC. Com ela, fazemos uso de views parciais para renderizar um layout de maneira assíncrona. Importante notar que essa técnica melhora a performance percebida pelo usuário, mas não substitui otimizações do lado do servidor. No cenário apresentado, a página responde mais rápido para o usuário, mas o tempo total de carregamento da página é praticamente o mesmo.

O cenário que vou expor é de uma página no estilo painel, com diversas áreas que trazem informações diferentes, como a do iGoogle Portal. Essa aplicação de exemplo é a página inicial de um sistema financeiro, que mostra as últimas 5 transações de contas a pagar e a receber e uma lista com os últimos 10 logs de evento gerados pelo sistema:

Tela inicial
Clique para ampliar

Cada um dos painéis possui a sua própria origem de dados. Ocorre que por motivos de processamento interno, as fontes de dados de contas a pagar e logs demoram para serem recuperadas, fazendo com que o carregamento inicial da página fique lento. Dessa forma, a página inicial e o painel de contas a pagar, que são rápidos, demoram a aparecer devido à lentidão dos outros dois painéis.

Ao executarmos a aplicação com renderização da página inicial de forma síncrona, obtemos o seguinte resultado:

Desempenho síncrono
Clique para ampliar

O tempo total de carregamento da página é de 3,97 segundos, suficiente para tirar a paciência de qualquer usuário. Observe que o gargalo maior se encontra no tempo que o servidor demora para enviar os dados para a aplicação: 3,21 segundos, 98% do tempo total.

Agora, é hora de aplicar a técnica proposta. A estratégia é simples: vamos carregar primeiro a página inicial e o painel de contas a receber, que são rápidos, e delegar o carregamento dos painéis lentos de contas a pagar e log para chamadas AJAX, que são naturalmente assíncronas. Além disso, vamos obter um benefício adicional ao executar as duas requisições de forma paralela.

Para atingir esse objetivo, precisamos alterar a página inicial. Antes, ela renderizava as views parciais de forma síncrona:

Agora, vamos criar divs que funcionarão como marcadores para o carregamento das informações. Elas foram marcadas com a classe css “conteudoParcial”, para serem referenciadas pelo código jQuery. Além disso, fazemos uso do atributo customizado “data-url”, para armazenar o endereço da fonte de dados da view parcial. Esse é um recurso muito útil introduzido na especificação do HTML 5, para armazenamento de informações customizadas em elementos de marcação. Mais detalhes nesse link (em inglês). Por fim, adicionamos um gif de load para dar um retorno para o usuário quanto ao carregamento dos painéis:

jQuery necessário para executar o carregamento assíncrono das views parciais:

Também foi necessário alterar o controller da página, criando actions separadas para a página inicial / painel de contas a receber e para os outros dois painéis (contas a pagar e logs):

Depois de aplicadas as alterações, percebemos um ganho substancial no tempo de resposta da página:

Desempenho assíncrono
Clique para ampliar

Agora, o tempo total de carregamento inicial é de 1,29 segundo, um ganho de 68% em relação ao anterior. Esse é o novo desempenho percebido pelo usuário no tempo de resposta da aplicação, mesmo que as requisições dos outros painéis continuem demorando um pouco mais para aparecer na tela.

Concluindo: é possível aplicar técnicas no cliente para melhorar a performance percebida pelo usuário em uma aplicação ASP.NET MVC. Esse exemplo poderia ficar ainda melhor se trabalhássemos o lado do servidor, tornando a recuperação das informações necessárias para a página mais ágil. Isso poderia ser conseguido através de chamadas assíncronas dos métodos de recuperação dos dados e será o tema do próximo post. Fique ligado!

Aplicação de exemplo:

Síncrono: http://viewassincronasaspnetmvc.azurewebsites.net/

Assíncrono: http://viewassincronasaspnetmvc.azurewebsites.net/Assincrono

Código da aplicação: https://github.com/marcellalves/viewsparciaisassincronasASPNETMVC.